Fechar

Inovação

CriatividadeInovação

5 dicas essenciais para aplicar no seu currículo

Por isso não me alongarei muito nessa introdução e vamos para o que interessa. Não sou especialista na área, mas há algum tempo tenho pesquisado bastante o tema, venho ajudando alguns amigos e então acumulei algum conhecimento sobre o assunto.

Abaixo divido com vocês um pouco do que venho aprendendo.

1. PRIORIZE

Devido ao desespero para nos destacar achamos que colocar toda nossa experiência é a melhor saída. Não é! Preze pelo que for mais pertinente. Na experiência profissional destaque no máximo 5 lugares que já trabalhou. Na parte de formação siga basicamente o mesmo padrão, de 3 a 5 informações principais: faculdade (caso tenha), cursos mais importantes (idiomas, relacionados ao seu mercado, etc.). Informações demais confundem quem está lendo e podem passar a impressão que você não possui um foco em sua carreira, caso suas experiências sejam diversas demais.

2. APRESENTAÇÃO É TUDO

Não precisa ser ninja da edição mas preparar um currículo bem diagramado te ajuda e muito a se destacar. Ainda bem que atualmente existe a internet para resolver nossos problemas e nela você consegue encontrar diversos modelos gratuitamente para baixar e apenas inserir suas informações. Vou deixar alguns exemplos ao final desse texto.

3. A ESTRUTURA EM SI

Embora não haja um padrão para o currículo perfeito, você pode seguir um modelo básico de priorização de informações para não errar. Comece com um breve (no máximo 3 linhas) texto introdutório sobre seu objetivoprofissional no momento. Esse texto facilita a vida do recrutador que, diante de um mar de currículos, olhará para o seu e rapidamente saberá o que você procura.

Em seguida, elabore uma breve apresentação pessoal contendo as informações mais essenciais. Ex: Gabriel Gomes — Publicitário em formação, com experiência em redes sociais, terceiro setor e redação. Você pode mesclar essa apresentação com seu objetivo, caso queira.

Sem mais delongas, estruture a parte de suas experiências profissionais. Aqui não tem muito mistério: Nome da empresa + cargo + tempo de trabalho + breve resumo das atividades realizadas. Esse último item ainda é esquecido por muitos, então capriche para produzir um texto conciso e claro. Lembre-se que quem recruta pessoas recebe milhares de candidaturas e quanto mais fácil você tornar a vida dessa pessoa melhor.

Para finalizar coloque sua formação, na mesma dinâmica: curto e claro. Curso + Nome da instituição. Em caso de faculdade é interessante inserir o tempo de duração. Algumas pessoas diferem e consideram mais interessante colocar a formação antes da experiência profissional. É algo pessoal, realmente não acredito que comprometa a qualidade do seu currículo. Analise o que for mais adaptável para você.

4. Outras plataformas

Em alguns casos a pessoa possui experiência e formação “demais” e encontra muitos problemas na hora de priorizar as informações. Outro exemplo é quem executa trabalhos multitarefas: fotografa, filma, edita, escreve, etc. Nesses casos recomendo que você leve o recrutador para outras plataformas para que você possa demonstrar seu trabalho da melhor forma e não sobrecarregue seu currículo de texto. Uma dica prática: coloque em seu currículo apenas sua formação e experiência essenciais e direcione para seu perfil no Linkedin, onde a pessoa poderá encontrar seu histórico completo.

Outras plataformas bacanas para o mesmo uso são, Behance (interessante para quem trabalha na parte visual: design, fotografia, moda, etc), Flickr (fotografia), Medium (bom, se você está aqui provavelmente já conhece essa ferramenta, mas caso tenha caído de paraquedas nesse texto saiba que o Medium é uma espécie de “rede social para quem escreve”), Clippings.me (jornalistas), Wix (plataforma para elaborar websites que tem como diferencial a facilidade de usar a ferramenta) e outros.

5. PENSE ALÉM

O trabalho com o currículo não termina quando você salva o arquivo final. Na hora de enviar sua candidatura (geralmente por e-mail) reproduza no corpo da mensagem aquele breve texto de apresentação + objetivo. Caso tenha links importantes, os anexe também, mas cuidado com o excesso de informação. Resumindo: Apresentação + objetivo + currículo em anexo + link do seu principal portfólio (caso tenha) + aonde foi impactado pela vaga + despedida. O mantra curto e claro opera aqui novamente, portanto resuma tudo isso em cerca de 5 linhas aproximadamente.

Ficou com alguma dúvida? Discorda de algo ou queria debater mais algum ponto? Tem alguma dica para enriquecer o texto? Manda! O espaço é de troca e cuidado, então lerei tudo com atenção. Boa sorte.


Continue lendo
CriatividadeInovação

Google mapeia favelas do Rio e revela que suas ruas e vielas vão muito além do que as notícias dizem

Quando se fala em Rio de Janeiro, logo vem em mente imagens como o Cristo Redentor, bondinho, Copacabana, praia, Lapa e as famosas favelas, que há tempos já entraram para os cartões-postais da cidade.

Rio é a cidade do Brasil com maior população vivendo nelas. Segundo o último censo IBGE, são 1.393.314 pessoas, 22% dos cariocas, vivendo nas 763 favelas da cidade. Porém, mesmo pela grande representatividade demográfica, geográfica e também cultura que as favelas possuem para a cidade, apenas 0,001% delas são mapeadas. São regiões que aparecem no mapa como áreas verdes, brancas ou grandes vazios, revelando a desigualdade e exclusão social que ainda existe entre a cidade e a favela.

Para contrapôr esse fato, o Google, responsável pelo serviço de mapeamento mais usado no mundo, lançou o projeto Beyond The Map (Além do mapa), que mostra favelas cariocas a partir de vídeos em 360º. Provando ao mundo um pouco do porque as favelas merecem muito mais do que ‘espaços vazios’ no mapa.

 

O site que foi produzido com duas versões, em português e inglês, para que a experiência não se limite aos brasileiros, ainda conta 3 mil imagens históricas e exposições do Rio de Janeiro.

Além de uma série de vídeos com histórias de moradores locais, confira:

Continue lendo
ComportamentoCriatividadeInovaçãoReflexões

Campanha coloca agressor frente a frente com vítima de racismo

Que a internet facilita e muita nossas vidas é verdade, mas vamos combinar que existem muitas pessoas que a usam sem a melhor das intenções.

Afinal, hoje ainda é muito normal (e não deveria ser) vermos agressões e discurso de ódio na rede, que deixam claro que problemas relacionados ao preconceito por gênero ou raça são reais e devem ser combatidos. Mas a questão é, o computador ainda é usado como escudo por pessoas que acham que “simples comentários” no Facebook nunca virão à tona no “mundo real”, não importa o quão ofensivos.

Porém a ONG Criola (organização que atua a partir da defesa e promoção de direitos das mulheres negras) lançou no ano passado a campanha “Racismo virtual”, que mostra ao “mundo real” o quanto é repugnante suas “simples mensagens” deixadas na internet.

A ONG aproveitou o caso que ocorreu em Julho do ano passado com a jornalista Maria Júlia Coutinho, a Maju, apresentadora da previsão do tempo no “Jornal Nacional”, quando foi vítima de racismo na internet. E criou uma ação (que inclusive foi premiada em cannes), em parceira com a agência de publicidade W3haus, que espalhava outdoors próximo de ondem viviam os autores postagens de racismo contra a jornalista.20151110092814772780o20151110092821930165eimagem_release_5343216719db50-9833-11e5-b908-63028985ea04_rac01A campanha foi um sucesso e nesta semana foi lançado um vídeo ilustrando. Nele, um dos agressores decidiu mostrar o rosto e se retratar, cara a cara, com uma das vítimas de racismo. Dá uma olhada no vídeo, é de arrepiar:

E você, já parou para pensar quantas vezes foi preconceituoso hoje “sem perceber”?

Continue lendo
ComportamentoCriatividadeInovaçãoReflexõesSocial

Avon + Pabllo Vittar | Oportunismo ou Representatividade?

A real é o que mundo já mudou, só fica pra trás quem quer.

Enquanto as pessoas ainda insistem em preconceitos, a Natura já apoiou campanha a favor da diversidade, e seu resultado foi ótimo. Já a C&A tentou o mesmo, mas com movimento sem gênero, que de sem gênero não tinha nada.

Ihhhhhhhhhhhhhh deu ruim!!!

Discutir temas que envolvem preconceito, feminismo e movimentos parentes, é um tanto quanto perigoso para uma marca, apesar de que, feito da forma certa, gera um resultado e tanto. Sem falar do fato de cairmos na linha tênue entre ética e moral. Eu sempre me questiono, “até que ponto é interessante uma marca se aproveitar de um movimento social em busca de resultados financeiros?”, daí surge a dúvida.

Esse tipo de conceito é chamado de “Marketing para Causas Sociais”, é basicamente quando uma empresa detém de um conteúdo social, em busca de retorno financeiro.

A maioria consegue obter resultados ótimos, e ainda assim, fazer o bem. Porém a prática continua sendo considerada como um processo insustentável, já que o trabalho só visa um retorno, lucros. Mas também vale a reflexão, já que são elas que detêm boa parte de nossa estrutura cultural e de nossas linhas de influencias. Então basicamente, são elas que ditam as regras.

E já que dominam toda essa mídia, porque não tentar trabalhar com um sistema sustentável. Que busque não só evolução financeira, mas também social?

A verdade é que penso assim, por conta de  já ter sido influenciado por campanhas semelhantes.

Um modelo claro disso é uma campanha da Always, que se chama “like a girl”. Ela questiona o uso do termo, e faz uma reflexão entre a diferença de percepção de crianças e de adultos. Com o vídeo é possível perceber que os adultos tendem a enxergar que fazer qualquer coisa “like a girl” é considerado como uma fraqueza ou dependência. A campanha consegue deixar claro que todo esse questionamento sobre o termo, tem sim um fundamento e precisa ser reformulado. Aliás, eu fui umas das pessoas que se questionou. Segue o vídeo:

 

E agora foi a vez da Avon, ela quis mostrar sua representatividade e decidiu escolher a drag queen Pabllo Vittar para participar da sua nova campanha, “Louca Por Cores”. Até o momento foi divulgado apenas um GIF da cantora posando com um batom da marca, se liga:

 

Ainda no facebook, Pabllo comemorou a iniciativa:

“Muito feliz por fazer parte da nova campanha da Avon! Parabéns pela iniciativa e pela representatividade.”

E em resposta a Avon agradeceu o apoio de todos os consumidores:

“O mundo tá evoluindo e é importante a gente crescer com ele. Claro que assim como todo mundo, temos muito a desconstruir, mas esse já é o primeiro passo em direção a um mundo mais justo!”

É nesse momento que temos que refletir sobre a importância desses tipos de campanha. Você acredita que isso vai gerar resultado para empresa e para movimento social?

Na verdade, é só a gente ler os comentários:

screen-12.06.29[27.04.2016] screen-12.06.39[27.04.2016] screen-12.06.58[27.04.2016]

Eu acredito que ela pode ter acertado em cheio.

Afinal, hoje o certo não é ser branco, negro, loiro, moreno, mulher, homem, baixo, alto, transsexual ou homossexual. Hoje o certo é ser, ser o que você é e respeitar o que os outros são, apenas isso. E o que falta é a representatividade.

É ai que a Avon acerta, ela deixa de ser oportunista para se tornar influenciadora. Ela nos ensina a ver o outro lado da moeda, a enxergar o quanto é importante pra minoria ter uma representatividade, o quanto é importante poder ter alguém com quem se espelhar e se identificar. É mostrar que devemos entender mais um pouquinho sobre as dificuldades que todas essas pessoas passam e fazer o máximo para apresentar as soluções.

Esquecendo a questão de ser sustentável, se a proposta da campanha nos faz refletir podemos lhe dar um ponto na questão social? O que acham? Eu acho que sim.

Enfim, de qualquer forma, essas pessoas merecem e devem ter espaço!

Está ai. Parabéns a Avon. Ganhou personalidade, visualização, fãs e um papel nesse movimento social.

Continue lendo
CriatividadeInovação

Um painel na guerra contra a Dengue e o Zika vírus

Na luta contra o devastador vírus da Zika que já atingiu milhares de pessoas em todo o Brasil – incluindo o deste autor que vos fala –  até a publicidade virou arma.

“The Mosquito Killer Billboard” é um projeto open-source criado para impedir que o Aedes aegypti, responsável pelas transmissões tanto da dengue quanto o zika vírus, procrie e espalhe ainda mais as doenças.

O outdoor funciona imitando respiração humana com o objetivo de enganar os mosquitos, enquanto, dentro da peça, um dispositivo pulveriza uma solução mista de dióxido de carbono e uma ácido lático. A ideia é que após presos no painel, os mosquitos morram desidratados, de acordo com o projeto.

 

Fonte: Creative Review

Continue lendo