Você escolhe: ser machista ou viver?

Novembro Azul é uma campanha de conscientização realizada por diversas entidades no mês de Novembro dirigida à sociedade e, em especial, aos homens, com o objetivo de conscientizar a respeito de doenças masculinas, destacando a prevenção e no diagnóstico precoce do câncer de próstata.

Em Novembro do ano passado, a Sociedade Brasileira de Urologia divulgou uma pesquisa realizada pelo instituto Datafolha sobre a percepção masculina em relação ao câncer de próstata e o temido exame de toque. Apesar de 76% dos entrevistados terem ciência deste tipo de detecção, somente 32% já o fizeram.

Um número um tanto quanto preocupante, que deixa claro que câncer de próstata ainda é visto como um grande tabu no sexo masculino, tornando alguns homens vulneráveis até mesmo a uma doença mortal.O homem machista tem medo de assumir as suas fragilidades, seja realizando um exame no reto ou até mesmo em um momento mais emocional. Ele é capaz de pôr sua vida em risco para não deixar de ser o “homem macho”, perder sua “virilidade” e até mesmo sua respectiva “dignidade”. Vamos combinar que além de ser um pensamento retrógrado pode te dar um caixão de brinde.

Levando em consideração toda essa construção feita pelo machismo, o I Hate Flash e o Brechó Replay fizeram juntos uma campanha com o objetivo de quebrar esse tabu masculino. As fotos foram feitas pelo fotógrafo Lucas Sá e o texto foi escrito pelo Pedro Willmersdorf. As imagens são carregadas de azul e com direito a famosos do Rap carioca (como BK e Brill), enquanto o texto escrito por eles é carregado de conceito, confere aí:

 

” I Hate Flash + Brechó Replay colocando de lado o estereótipo masculino para mostrar a fragilidade do homem no mês de conscientização do câncer de próstata e outras doenças negligenciadas pela classe.

São mais de 60 mil casos novos por ano. São mais de 13 mil mortes no mesmo período. É a segunda doença com maior incidência em homens brasileiros. Ao mesmo tempo, em 95% dos casos diagnosticados precocemente a cura é atingida, segundo dados atualizados do Ministério da Saúde. Basta se tocar e ser tocado. Literal e fisicamente.

Mas antes de entrar no consultório e enfrentar o câncer de próstata com coragem, o homem precisa consultar a si mesmo, consultar seus preconceitos, seus conceitos e seus medos. Campanhas são bem-vindas, como o Novembro Azul. Movimento que utiliza exatamente um símbolo cromático que representa o que há de mais arcaico para exibir a fragilidade de cada um de nós, homens.

Antes de tirar nossa roupa diante do médico, precisamos nos despir de estereótipos que se transformam em barreiras, nos cegando diante de uma doença que mata.
Ela mata o hetero, o gay, o trans, o fluid gender. O câncer, não é azul, nem rosa.

Iniciativas como o Novembro Azul, do Instituto Lado a Lado pela Vida, ou a arrecadação conquistada pela ONG Rio Abrace na nossa campanha anterior, são pedras fundamentais nesta batalha diária. Seja seu pai, seu irmão, seja executivo, operário ou taxista. Seja você, seu melhor amigo, seu crush ou seu namorado. Seja consciente. Não seja uma estatística.”


*Confira o post na íntegra com mais fotos

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •