Campanha global foi criada para o mês do orgulho LGBTQ+

O YouTube lançou essa semana a campanha global #ProudToBe, “#OrgulhoDeSer” no Brasil. A ação que acontece no mês que é celebrado o orgulho LGBTQ+, contou nacionalmente com vídeos especiais de youtubers ligados à causa, como Lorelay Fox, Federico Devito e o Canal das Bee.

Já mundialmente, a campanha foi iniciada com o vídeo abaixo, em que vemos trechos de vários clipes publicados no passado por youtubers conhecidos, nos momentos em que falam sobre suas sexualidades.

O clipe compilado é emocionante, mas apesar de propagar uma mensagem libertadora, não encontrou muita aceitação por parte de quem já assistiu. Dentre os mais de 7 milhões de views, até o momento dessa publicação, o clipe está com 219.471 dislikes e apenas 165.428 likes.

É claro que é preciso considerar o fato de que nem todos os usuários do Youtube são familiarizados, ou veem a necessidade de usar a opção like e dislike para avaliar os vídeos. Mas e se todos tivessem que se posicionar?

Você acredita que a diversidade venceria a intolerância?

Ou será que os que não se posicionaram são o retrato fiel daquela grande parte da sociedade, que ainda agarrada aos seus preconceitos, não sabe se vai ou se fica. Que diz não ser homofóbica, mas também não entende a importância de criminalizar a homofobia.

Que acha um absurdo matarem 49 pessoas por serem gays, mas acredita que duas mulheres se beijando em público é liberdade demais.

Qual é a cara dessa omissão, afinal? Quantos likes faltam para virar o jogo e dizer para internet e para o mundo que ninguém deve ter vergonha de ser diferente, e sim, #OrgulhoDeSer o que é.

 


Atualização:

Após tanta transfobia nas interações do vídeo, o Youtube resolveu desativar os comentários:

“Dando o número de comentários sobre este vídeo que violam a nossa política. E por respeito aos criadores que aparecem neste vídeo, decidimos desativar os comentários por enquanto”, declarou o porta-voz da empresa.

“O Youtube é um lugar onde qualquer pessoa pode pertencer, não importam quem eles são ou quem eles amam. Nós queremos ajudar as pessoas a honrar e a celebrar quem eles são”.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •