Integrantes da banda reconheceram o equívoco na mensagem e optaram pela reedição do clipe

Mostrando estarem atentos não apenas aos elogios, mas também às críticas, a banda carioca BRAZA, compostas por ex-integrantes do Forfun (Danilo Cutrim, Vitor Isensee e Nícolas Chris), deu um passo atrás e decidiu reeditar e lançar novamente o clipe da musica “Embrasa”.

Com letras fortes e influências rítmicas encontradas no rock, reggae, rap e no dub, a música “Embrasa” apresenta essa pegada musical da banda e tem como tema a batalha do trabalhador brasileiro que, depois de todo esforço cotidiano, quer ir para maracangalha, bailar depois da batalha.

A polêmica que levou a banda a reeditar o clipe ocorreu devido a uma cena em que uma atriz aparece ”rebolando” sensualmente. A cena tinha o objetivo de criticar padrões de beleza culturalmente impostos em nossa sociedade, mas a cena também poderia ser mal interpretada como objetificação da mulher. Ninguém melhor que a própria banda para esclarecer e reconhecer o deslize, segue a nota de esclarecimento lançada página oficial da banda no Facebook.

“Após refletir bastante, resolvemos reeditar o clipe de Embrasa.

Usamos as cenas em que uma atriz rebola sua “bunda” como uma tentativa de provocar, e mostrar um outro padrão de beleza, diferente do ditado nas grandes plataformas midiáticas.

Porém, nesse caminho, esbarramos em outra questão importante: a opressão da mulher na sociedade, e a história sistêmica da exploração do seu corpo.

Apesar da intenção inicial ser diversificar, propondo outro padrão de belo, acreditamos que a forma não foi a mais adequada, e corrobora, independente da intenção, com a objetificação da mulher.

Coletamos muitas opiniões, debatemos, e chegamos a essa conclusão.

Não vemos problemas em reconhecer um equívoco, voltar atrás e mudar de idéia. Nem em “perder” os “views” que o clipe já tinha.

Acreditamos que esse não é o “certo”, mas o melhor a se fazer, de acordo com o que pensamos e sentimos neste momento.

Aproveitamos a situação para abrir aqui um debate, afim de que vocês também expressem seus pontos de vista livremente, emitam suas opiniões sobre a cena, a função social da arte, o padrão de beleza vigente, e a exploração do corpo da mulher na sociedade brasileira e mundial.

Salve a mulher, e abaixo a ditadura do “belo”.”

Esclarecimento feito, a banda não apenas reconheceu o equívoco da mensagem como também decidiu corrigi-la. Atitudes como essa não podem passar despercebidas. É importante ouvirmos opiniões diferentes das nossas. Ao expor uma mensagem, por mais inocente ou positiva que seja nossa intenção, precisamos estar atentos e abertos às críticas. Vivemos em sociedade, somos todos sócios, por isso, meus sinceros parabéns para os rapazes da BRAZA em reconhecer e promover o debate, agora segue o baile.

Tem uma opinião sobre isso ou quer acompanhar o diálogo aberto? Clique aqui para acessar a postagem original.

Veja abaixo o clipe reeditado:

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •