Não dá para ignorar a poeira embaixo do tapete

Diversos textos têm sido publicados discutindo as Olimpíadas deste ano. Alguns apontam benefícios, outros, prejuízos, e mesmo assim, ficamos com a impressão de que nem tudo ainda foi dito.

Por isso, decidi dividir com vocês um texto manifesto de um ato pacífico ocorrido na última terça, 02/08, no Aeroporto Internacional do Galeão. Um ato dos “Filhos e Netos por Memória, Verdade e Justiça”, grupo que luta contra o terrorismo de Estado lembrando as torturas, desaparecimentos e assassinatos de tantos brasileiros, que ocorreram no período da ditadura e que ainda ocorrem nos dias de hoje.

O grupo deu boas vindas às delegações e turistas que chegavam na cidade, revelando através de cartazes, um dos diversos lados calados em nosso país, e ainda mais no período olímpico.

013

071

“O grupo Filhos e Netos por Memória, Verdade e Justiça foi hoje ao aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, para repudiar e denunciar o terrorismo de estado brasileiro. A violência das forças de segurança do Brasil no passado, com a ditadura civil-militar e no presente, com o genocídio dos índios, da juventude pobre, negra e marginalizada é uma das tantas questões que está sendo mascarada pela realização das Olimpíadas.

A Comissão Nacional da Verdade contabilizou 377 agentes da repressão na ditadura  (1964-1985), de generais às baixas patentes das forças armadas, que torturaram, perseguiram, sequestraram, assassinaram e desapareceram com milhares de brasileiros. Nunca foram punidos, e os que ainda estão vivos andam soltos. Exigimos o julgamento e punição dos culpados por esses crimes de lesa-humanidade. O Brasil foi condenado pela Corte Interamericana no caso Gomes-Lund e a sentença resta até hoje como letra morta.

amrildoHoje vivemos um novo golpe de estado, desta vez de caráter jurídico, parlamentar e midiático. Apoiado e financiado pelas mesmas forças civis, politicas e externas do golpe de 64. Os que dominam o grande capital: a indústria, o agronegócio, o congresso, a grande mídia, a banca internacional, fizeram chegar ao Planalto um governo golpista e ilegítimo. Cresce a perseguição aos movimentos sociais, às forças trabalhadoras, aos movimentos negro e LGBT. Cresce a repressão e assassinatos de lideranças indígenas, do campo e das favelas. Cresce o numero de ‘desaparecidos da democracia’, que desde 1985, já ultrapassou 92.000 pessoas. Cresce o número de assassinatos de jovens pobres e negros, atingindo nível semelhante ao de países em guerra!

Nós, Filhos e Netos por Memória, Verdade e Justiça, estamos juntos com os movimentos das comunidades marginalizadas do Rio e a classe trabalhadora em luta e todos os familiares de mortos, presos e desaparecidos políticos de ontem e hoje na luta diária contra a violência de estado.  Não vamos parar, não vão nos calar! Estaremos nas ruas, nas assembleias, nas audiências públicas, nas frentes de resistência ao golpe, nas ocupações e nos tribunais!

A luta continua!”

037

A justiça deve ser atemporal e se não houve punição, não houve justiça.

A manifestação, como tantas outras que ocorrem no período olímpico, contribui para que saibamos manter o foco no grito, na luta e não somente nas cores e pirotecnia.

Que fique claro, eu sou a favor do esporte, da alegria e da união que carrega o espírito olímpico. Porém, o real contexto, a montanha de “poeira” que tentam esconder é que me incomoda.

Nossa simpatia não pode ser confundida com amnésia ou estupidez.



Contatos dos “Filhos e Netos por Memória, Verdade e Justiça”:
Leo Alves Viera: +55 21 988803305
Anita Sobar: +55 21 985922648
Email: filhosnetosmvjrj@gmail.com

Créditos das fotos referentes ao Ato contra o Terrorismo de Estado: Valeria Pautasso

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •