Não é que eu não saiba me programar, eu não gosto de me programar

Na minha época de universidade, eu vivia reclamando o quanto era sem tempo. Trabalho, aula, curso, jobs, freelas e por aí vai. Era um tanto quanto depressivo até, eu queria fazer tantas coisas ao mesmo tempo e não podia fazer nenhuma delas.

Até que certo dia eu disse para mim mesmo:

“Quando me formar eu vou sair todos os dias depois do trabalho e fazer algo diferente, aproveitar todo esse tempo que me faltou.”

E isso é o que tento fazer hoje. Às vezes funciona, às vezes não, mas sempre tento. Vamos combinar que o dinheiro e a determinação nem sempre estão do nosso lado, né? Mas eu sou persistente.

A partir daí pude perceber que na maioria das vezes não é de tempo e dinheiro que precisamos, mas sim dar uma folga ao comodismo e a preguiça.

É sério, pensa comigo.

Quantas vezes não deixamos de fazer algo porque temos que acordar cedo no dia seguinte? Ou porque simplesmente queremos aproveitar a cama? Sem contar quando deixamos tudo pra amanhã.

E isso acontece constantemente nas nossas vidas, mesmo sem a gente se perguntar o porque perdemos tanto tempo com nada. A verdade é que isso faz com que a gente perca diversas experiências. E eu costumo dizer que toda experiência é válida e é por isso que temos que agarrá-las.

Foi a partir dai que me tornei uma pessoa que não se programa ou combina algo, já que to sempre tentando aproveitar o tempo que eu dizia que “não tinha”. Eu sempre tive tempo, só não sabia fazer bem uso dele.

Sem contar que nunca saberemos como vai ser o dia seguinte. Eu não sei o que vou sentir, ou o que vou querer fazer. Mas tento sempre me surpreender a cada dia, fazer valer a pena e viver experiências novas, sem programação, sem script. Afinal, a vida é melhor quando nos surpreende, não é não?

Peço desculpas aos meus amigos, porque minha resposta é sempre “Não sei como será meu dia, na verdade nem quero saber, deixa apenas acontecer”.

Levo isso não só porque me formei e tudo mais, mas levo para vida, é sério. Mesmo tendo que acordar cedo numa segunda, foda-se, saio domingo e é isso aí. Vou morgar na cama porque acordo cedo? Não, acabou comodismo. Por esse motivo que sempre digo “Queria carregar na tomada, a gente perde muito tempo da vida dormindo”.

Meu lema agora é, jogue as desculpas de lado e se jogue.

Sem contar que não sabemos como será o dia de amanhã.

Então pare de passar tudo para semana que vem, mês que vem, ano que vem e faça hoje, agora, só não deixe de fazer. Porque não é todo dia que temos oportunidades de viver o que temos. É tudo fruto daquelas velhas e clichês frases, “Não deixe para amanhã o que você pode fazer hoje” e “Viva hoje como se fosse o último dia da sua vida”.

Se você seguir esse fluxo, pode ter certeza que rotina não atinge nunca mais. Sem contar que se surpreender todos os dias é uma ótima forma de viver. Para mim isso é viver.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •