A gente esqueceu que era domingo, quase perdermos o Tour, mas vamos combinar que foi um dia e tanto, que domingo <3

Acordamos cansados depois da boate do dia anterior, em que fui abandonado pelos meus amigos na The Temple. Eu havia ficado por lá dançando sozinho e “curtindo o som”, apesar de não ter aguentado muito tempo naquele lugar. Tomei mais algumas cervejas e resolvi que era a hora de ir embora.

Sai da boate e descobri que o frio que havia sentido na viagem até ali não era nada, porque PQP, aquele foi um dos momentos que mais tremi em Cusco, sair da boate e ir para rua na madrugada era como entrar num freezer. No caminho cheguei a encontrar as meninas do hostel, havíamos combinados de nos encontrar, mas acredito que estávamos bêbados demais pra prestar atenção no que falávamos. Fim das contas, fui para o hostel e a galera seguiu para boate.

Sinceramente, ainda não sei como cheguei lá, provavelmente o frio me fez ir no automático, mas de qualquer forma, eu sei que apaguei na cama.

Acordamos no almoço, encontramos novas amigas, esquecemos que era domingo e quase não conseguimos comprar o tour para Machu Picchu

IMG_8398Eu só conseguia pensar onde íamos almoçar, sério, tava com muita fome. Acordamos ia dar meio-dia e todos com poucas energias para se locomover. Era dia das mães e tinha enviado um vídeo fofinho pra minha, então já estava tranquilo quanto a isso apesar da saudade.

Basicamente foi um dia cercado por muita preguiça e vontade de ficar deitado. Sem contar que o hostel era perfeito para isso. Só que a questão é que eu sou uma pessoa um tanto inquieta e enquanto eu e Alluan queríamos almoçar fora, Vitor queria comer por ali mesmo.

Sendo que  também tínhamos que comprar o tour para Machu Picchu, acabou que eu e Alluan fomos procurar um lugar para comer. Só que dessa vez não fomos só, chamamos a Márcia, uma amiga que conhecemos no Vale Del Colca. Combinamos de encontrá-la na Praça das Armas e lá fomos nós.

IMG_8416Quando saímos estranhamos um pouco o dia. Estava tudo fechado, haviam poucas pessoas na rua e o clima era muito tranquilo. Foi quando percebemos que estávamos num domingo e claro, era Dia das Mães.

Bateu um momento de preocupação por conta do tour, tínhamos que almoçar e encontrar as meninas e não sabíamos o que fazer. A agência da senhorinha do dia anterior, estava fechada e no caminho até a praça encontramos apenas uma aberta, tinha que ser ela, já que teríamos que iniciar o tour de qualquer jeito no dia seguinte, senão atrasariamos toda viagem.

Fomos lá, choramos um pouco falando o preço que tínhamos conseguido no dia anterior na outra agência, e chegamos ao valor de S./547 para o tour de 3 dias da Inca Jungle. Saiu mais barato do que na outra, mas porque não teria a volta de trem, e sim de van. O que nos faria ter que sair de Machu Picchu mais cedo.

Tínhamos que resolver tudo rápido, porque já eram 13h30 e a agência fechava 14h, e a Márcia ainda estava nos esperando na praça. Enquanto Alluan terminava de fechar, fui busca-lá. Encontrei ela com uma amiga israelense, nos apresentamos e em seguida fomos para agência.

Chegando lá eu tomei um susto, Alluan não estava mais lá. O guia me disse que ele havia ido buscar o dinheiro do seu amigo, ou seja, do Vitor. Alguns minutos depois ele chegou conseguimos pagar, fechamos o tour e ficamos um pouco aliviados, apesar da fome que estava corroendo meu estômago.

Vamos almoçar finalmente, mas antes, caminhe por horas

E mais uma vez o domingo prejudicou nossa rotina, e dessa vez foi no almoço. Poderia ser em qualquer outra coisa, mas o almoço não, por favor.

Ficamos rodando por muito tempo procurando algum lugar para comer. E o pior de tudo isso não é andar, é andar mortos de fome. Por sorte durante a caminhada tínhamos muita coisa para conversar, afinal, duas amigas novas, uma que estava viajando há mais de 6 meses e outra israelense, não tem como faltar assunto.

Encontramos alguns restaurantes abertos, mas muito caros. Até que achamos um no fundo de uma loja de produtos artesanais. Era bem simples e havia alguns gatos naquele lugar. Alluan como não é muito familiarizado com bichos ficou um pouco assustado, mas vamos combinar que a comida compensou.

Pedimos uma salada de entrada e de prato principal frango ao molho de pisco, com arroz e batatas frita, acompanhado com um copo de limonada. Valeu super a pena, sem contar que o preço foi bem barato, gastamos apenas S./15 pelo menu. Voltaria lá fácil.

Em busca de Wi-Fi, café e abrigo

Depois do almoço fomos atrás de um Wi-fi, em algum lugar para relaxar e conversar. Logo, o primeiro que veio a mente foi o Starbucks da Praça das Armas, fica no segundo andar de uma das construções que cercam o local.

Aproveitamos o espaço não só para nos conectar, mas também para fugir da chuva que estava prestes a começar. Foi meio que um complemento para domingo, internet, poltronas confortáveis, chuva e café.

Depois de um bate papo legal com as meninas, nos despedimos e fomos para o hostel nos preparar para o próximo dia.

Checkout, #VemMachuPicchu

E esse era eu me preparando para dormir:

Estávamos chegando ao ponto da viagem mais esperado por mim, Machu Picchu. Tudo bem que seja um dos pontos mais clichês do Peru, mas vamos combinar que não deixa de ser foda para caralho. Enfim, aguardem os próximos relatos, porque não darei spoiler.

Fizemos checkout a noite, arrumamos tudo e fomos descansar. Afinal, sabíamos que os próximos dias não seriam fácies, mas extremamente memoráveis.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •