Nosso 2º tour no deserto mais árido do mundo

Depois de um dia anterior agitado, acordando cedo na Bolívia e já chegando ao Atacama fazendo tour, dormimos por quase toda manhã, até porque o tour desse dia só sairia à tarde.

Quando acordamos, tomamos um café no próprio hostel com o pão e chocolate que havíamos comprado no dia anterior. Depois compramos alguns biscoitos para o tour e cambiamos alguns reais para pagar a entrada das Lagunas, 17.000 pesos, valor que é cobrado além do já fechado com as agências.

Verificamos também em alguns lugares o tour astronômico que é realizado a noite e que por conta da lua cheia cheia e um céu meio nublado, não estava certo de acontecer na maioria das agências. Fato esse que nos fez ficar mais uma noite no Atacama, além do previsto.

Voltando ao hostel e depois de tudo pronto, partimos para o nosso 2º tour no deserto mais árido do mundo: Lagunas Cejar + Ojos de Salar + Laguna Tebinquiche.

Lagunas Cejar

A primeira parada foi na extremamente salgada Laguna Cejar, a lagoa mais salgada que o Mar Morto, onde já não é mais possível entrar devido aos riscos que tanto sal proporciona, como cortes.

O prometido banho pelo tour pode ser feito na laguna ao lado da Cejar, que apesar da menor concentração de sal, ainda tem sal pra carajos e te permite boiar. Há no lugar um espaço para trocar de roupas e chuveiros para tirar todo sal depois do banho. Aliás, a estrutura dos pontos turísticos do Atacama é muito boa.

Nós mal entramos na lagoa, eu só molhei minhas pernas o que já foi suficiente para arder tudo em meu corpo. É recomendado não mergulhar e evitar contato com os olhos e os lábios, principalmente se estiverem rachados. Os meus estavam.

Ojos del Salar

A segunda parada do tour é no Ojos del Salar. Duas crateras que formaram dois fundos lagos de água doce no Atacama. Olhando de cima, eles parecem de fato, dois olhos. A vista é sensacional, e em um dos lagos é permitido enfrentar o frio, o medo da água escura e mergulhar.

Laguna Tebinquiche

A última parada é na também salgada e congelada Laguna Tebinquiche. Nela, apenas é permitido caminhar ao redor e observar a imensidão de sal que cobre a região.

O momento especial fica com o snack time para apreciar o pôr do sol, oferecido pela agência. Comemos biscoitos, e brindamos e bebemos pisco sour com os demais participantes do tour, o que incluía um casal de brasileiros.

Foi lindo demais, eu que já amo um pôr do sol, fiquei ainda mais feliz ao assisti-lo contrastado com a Cordilheira dos Andes, que parecia mudar de cor a cada descidinha do sol. Pra completar minha felicidade, estava bebendo o drink mais tradicional do Chile, que também passei a amar.

Na volta do tour, assistir o deserto se tornar noite pela janela da van também foi outro ponto alto do dia, ainda mais por eu já estar alto por conta do pisco.

De volta a San Pedro, compramos cup noodles no mercado e um refrigerante estranho e bem vermelho chamado Bilz para jantarmos.

Foi uma deliciosa refeição.

E um delicioso dia.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •