Chegamos ao último destino do mochilão

O dia começou dentro do ônibus, ainda na viagem que partiu do Atacama no dia anterior. Tomamos o café da manhã oferecido pela própria companhia, o que é algo bastante comum também no Peru e na Bolívia. Há quase sempre um/uma espécie de aeromoço(a) que nas viagens longas, nos horários tradicionais, servem as refeições. O que adoramos saber, até porque, mesmo com essa regalia, as passagens, principalmente do Peru e Bolívia, continuam sendo mais em conta do que viajar de ônibus no Brasil.

De volta a cidades grandes!

Chegamos em Santiago por volta das 15h e almoçamos no próprio terminal rodoviário, comendo no Burger King e KFC. Logo depois pegamos o metrô até a estação Santa Isabel da linha verde, estação mais próxima do Ventana Sur Hostel, local no qual havíamos reservado.

O hostel fica no bairro Providencia, um bairro nobre de Santiago que fica ao lado do bairro boêmio de Bella Vista. A estrutura é muito boa e diferente dos hosteis festivos que havíamos passado, esse tinha um clima mais calmo e caseiro. Pagamos 8.500 pesos por cada diária.

Depois de acomodados e descansados de uma viagem de 24h presos em um ônibus, resolvemos sair e conhecer a tal Lapa de Santiago. No caminho, andando a pé pela fria capital, paramos em um supermercado para comprar bebida e fomos bebendo pela rua.

Que Bella Vista

Chegando ao bairro, comemos um cachorro-quente no Charly Dog, um fast food só de cachorro-quente. Depois da barriga cheia, seguimos pela Pío Novo, uma das principais calles do bairro que conta com diversos restaurante, bares e boates. Como era de se esperar de um bairro boêmio, havia muitas mesas na calçada e muita gente conversando e bebendo.

Ainda na calle Pío Novo, conhecemos o Patio Bellavista, um complexo/galeria com uma arquitetura linda, obras de arte, música ao vivo e com vários restaurantes chiques e visivelmente caros. No centro do complexo estava acontecendo algum evento de vinho com diversos barris e pessoas topzeras bebendo em volta. O espaço é muito lindo e vale a pena conhecer mesmo que você saia sem gastar com nada, como fizemos.

Ao sair do Patio, sentamos e em um dos bares pela rua e pedimos nossas bebidas, Vitor e Raphael, cerveja, eu, um mango sour. Depois de alguma conversa, uma dupla de amigos chinelos que estavam na mesa ao lado e já um pouco alterados, nos convidaram para se juntar a eles.

Disseram que eu parecia o Neymar e resolveram tirar uma foto. Não tem muito negro em Santiago.

Os caras eram uns playboys de Santiago e um tanto estranhos com uns papos bêbados em espanhol, mas a situação foi até engraçada e ainda rendeu uma confusãozinha quando um outro bêbado chegou querendo arrumar assunto.

Depois de muito tontos, os amigos foram embora. Vitor, disse que estava cansado e resolveu voltar para o hostel quando eu e Raphael resolvemos entrar em uma boate perto do bar. Era segunda-feira e o lugar estava super vazio, com apenas alguns casais dançando horrorosamente ao som de alguma música latina.

O valor da entrada dava direito a um copo de cerveja. Eu dei o meu ao Raphael e um outro jovem turista asiático que entrou e rapidamente saiu também deu o copo dele. Raphael nem havia bebido os três quando resolvemos ir embora também.

Bêbados pelas ruas de Santiago, Raphael ainda puxou assunto com uma menina que andava sozinha pela rua. Ela também não era dali e estava voltando para casa de um amigo. Acompanhamos ela até o prédio e seguimos cansados e tontos até nossas camas no hostel.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •